פרשת השבוע Parashat haShavûʿa

Resumos

E estes são os nomes...
שמות Shemot
 
שמות Shemot

Ex. 1:1-6:1 | Is. 27:6-28:13, 29:22-23

Começamos esta semana um novo livro, Shemot (Êxodo). Nesta primeira parashá, de mesmo nome, conhecemos a estória de Moisés, desde seu nascimento até o momento em que ele é abordado por Deus por meio da sarça ardente, se une a seu irmão Aarão e com ele interpela um faraó com o coração cada vez mais endurecido para que permita aos hebreus saírem do Egito para servir a Deus.

וארא Vaera

Ex. 6:2-9:35 | Ez. 28:25-29:21

Moisés e Aarão fazem coisas miraculosas diante do Faraó e sua corte; tem início as famosas dez pragas, que se instalam porque Deus endurece o coração do Faraó a cada vez que ele finalmente deixe os hebreus saírem do Egito.

בא Bo

Ex. 10:1-13:16 | Jr. 46:13-28

Deus envia ao Egito três últimas pragas: gafanhotos, escuridão e morte dos primogênitos. As ordens que Deus dá aos hebreus após a última praga, quando o faraó finalmente os liberta, fornece ao povo vários de seus costumes, alguns durando por toda a existência do Templo de Jerusalém: a oferta das primícias (primeiros frutos e animais); outros, presentes conosco até os nossos dias: os pães ázimos, as ervas amargas e a recontação desta estória na primeira noite de Pessach.

בשלח Beshalach

Ex. 13:17-17:16 | Jz. 4:4-5:31

Após permitir a saída dos hebreus, o Faraó se enraivece de novo e os persegue com seu exército. Com o povo encapsulado entre os egípcios e o Mar Vermelho, Moisés recebe a ordem divina de levantar seu cajado; o mar se abre e os hebreus o atravessam; depois que passam, ele se fecha por sobre os egípcios, matando-os. O povo celebra o feito numa canção. No deserto, várias maravilhas acontecem: água que sai da rocha, maná que cai do céu, codornas no acampamento; e há ainda a guerra contra os amalequitas, liderada por Josué.

יתרו Yitro

Ex. 18:1-20:23 | Is. 6:1-7:6; 9:6-7

Jetro, o sogro de Moisés, ouve sobre o milagre do êxodo e leva a seu genro sua família no deserto. Lá ele vê Moisés julgando sobre a vida de todo o povo de Israel. Ele o orienta a instruir capitães de 10, 50, 100 e 1.000 para esta tarefa, cabendo a Moisés apenas os assuntos mais importantes. Deus anuncia que em três dias aparecerá no cume do Monte Sinai e que o povo o ouvirá em meio a fumaça, fogo e o som do shofar. Ele faz um anúncio que ficou conhecido como os “Dez Mandamentos” numa epifania coletiva. Moisés diz ao povo que Deus lhe apareceu para que as pessoas nunca se desviem do Seu caminho.

משפטים Mishpatim

Ex. 21:1-24:18 | Jr. 34:8-22, 33:25-26

Após a revelação de Deus no Monte Sinai, Moisés instrui o povo sobre várias novas leis. São instituídos três festivais sagrados: Pessach, Shavuot e Sukot. Deus promete a Terra Santa aos filhos de Israel e os adverte a não seguir outros deuses. Aarão e Chur ficam como guardiões dos hebreus enquanto Moisés é chamado por Deus para receber por escrito o ensinamento divino.

תרומה Terumá

Ex. 25:1-27:19 | 1Rs. 5:12-6:13

Moisés sobe ao monte, que é tomado por uma espessa nuvem. Ele permanece na presença divina por 40 dias. Um tema central da saga dos hebreus se desenvolve nesta parashá: a ideia da morada de Deus entre os homens. Moisés ouve Suas detalhadas instruções sobre a construção do Tabernáculo. Deus diz que todos os hebreus devem contribuir, de acordo com a vontade do seu coração, com os materiais necessários para sua feitura.

תצוה Tetzaveh

Ex. 27:20-30:10 | Ez. 43:10-27

A formação do culto de Israel toma lugar com os comandos de Deus a respeito das roupas dos sacerdotes e do Sumo Sacerdote e com a iniciação de Aarão e seus filhos para que possam exercer as funções sacerdotais. Toda esta purificação tornará o altar “Santo dos Santíssimos” para que Deus possa habitar entre os Filhos de Israel. Ele anuncia que se encontrará com o povo em tempos por Ele determinados.

כי תשא Ki Tisá

Ex. 30:11-34:35 | 1Rs. 18:1-39

Betzalel e Oholiav, artesãos de “coração sábio”, são os encarregados da construção do Santuário, para o qual o povo deve doar meio siclo de prata. O shabat torna a ser guardado. Quando Moisés demora para voltar do monte, o povo se inquieta e pede a Aarão para fazer um bezerro para ser adorado. Ao ver a cena de adoração, Moisés, que descia do monte, destrói as tábuas com as leis inscritas e se ira muito. No entanto, diz a Deus que, caso não perdoe o povo, o retire do livro no qual o havia inscrito. Deus perdoa os filhos de Israel, mas diz que este pecado terá consequências em gerações futuras. A face de Moisés se ilumina ao lhe ser dada a visão dos treze atributos divinos.

ויקהל Vayaqhel

Ex. 35:1-38:20 | 1Rs. 7:40-50

Após reiterar a mitzvá da observância do shabat, Moisés dá ao povo as instruções para a construção do Tabernáculo. As doações para ele são abundantes; Moisés diz ao povo que já é suficiente. Tem lugar a fabricação de todos os detalhes internos e externos do Tabernáculo.

פקודי Pequdei

Ex. 38:21-40:38 | 1Rs. 7:51-8:21

Presta-se conta de todo ouro, prata e cobre utilizados na fabricação do Tabernáculo. As oito vestes sacerdotais são feitas por Betzalel e Oholiav. Ao término de tudo, Moisés o unge com óleo sagrado e inicia Aarão e seus filhos na função sacerdotal. Uma nuvem pousa sobre o Tabernáculo, um sinal de que a Presença Divina passa a habitar ali.