Coca-Cola Kasher

O rabino Tobias Geffen, um rabino ortodoxo que serviu à Congregação Shearith Israel de Atlanta de 1910 até sua morte em 1970, aos 99 anos, é responsável pela kasherização da Coca Cola. Ele nasceu em Kovno, Lituânia, em 1870, imigrou para Canton, Ohio, em 1903 e assumiu seu púlpito em Atlanta sete anos depois.


Com a vinda de milhões de judeus de países Leste Europeu, como a Polônia, Lituânia, Rússia, Ucrânia para os Estados Unidos da8 Europa Oriental antes da Primeira Guerra Mundial, eles assumiram vários valores do pais e queriam cada vez mais participar da vida americana "real", incluindo consumir o americano alimentos e bebidas.


O problema de consumo desses produtos era verificar se eles poderiam ser considerados kasher e mais ainda poderiam ser consumidos em Pessach?


Por morar em Atlanta, onde ficava a sede da Coca-Cola, Geffen recebeu cartas de vários rabinos de todo o país perguntando se era permitido consumir Coca-Cola, de acordo com as leis da Halachá. Como o refrigerante não tinha os elementos constituintes da bebida, Geffen contatou a empresa para pedir uma lista dos ingredientes da bebida.


Geffen não sabia que a fórmula da Coca-Cola era um segredo comercial guardado a sete chaves, talvez um dos segredos comerciais mais bem guardados da história americana. Apenas um punhado de pessoas conhecia (e ainda conhece) sua fórmula. Percebendo as possibilidades de expansão do seu mercado, a Coca-Cola tomou a decisão corporativa de permitir que ele tivesse acesso à lista de ingredientes da fórmula secreta da Coca, desde que ele jurasse mantê-los em sigilo absoluto . Geffen concordou com os termos. A empresa não disse a ele as proporções de cada ingrediente, mas apenas deu a ele uma lista de conteúdo por nome.


Quando Geffen recebeu a lista de ingredientes, ele descobriu que um deles era glicerina feita de sebo bovino não kasher, o Rabino Geffen informou à empresa que, judeus praticantes não poderiam consumir a bebida pois não atendia aos padrões da kashrut.


De volta aos laboratórios da empresa, os cientistas pesquisadores começaram a trabalhar para encontrar um substituto para a glicerina à base de sebo e descobriram que a Proctor and Gamble produzia uma glicerina a partir do óleo de algodão e coco. Usando este novo ingrediente, a Geffen deu o selo de aprovação, para que a Coca fosse comercializada como kasher.


Ainda assim, um segundo problema incomodava Geffen: a fórmula da Coca-Cola continha vestígios de álcool que era um subproduto dos grãos utilizados. Uma vez que qualquer coisa derivada de grãos é chametz, a Coca-Cola não poderia ser certificada como kasher de Pessach, mesmo depois que a fórmula foi alterada para incluir glicerina vegetal. Os químicos da Coca fizeram experiências e descobriram que, durante a época de Pessach, eles podiam substituir os adoçantes produzidos a partir do açúcar de beterraba e da cana por outros à base de grãos, sem comprometer o sabor da Coca. Eles concordaram em começar a fabricar Coca-Cola com os novos açúcares várias semanas antes de Pessach todos os anos.

Em seus papéis, que estão armazenados nos arquivos da American Jewish Historical Society, os pesquisadores podem encontrar uma teshuvá (resposta rabínica) que Geffen escreveu que inclui o seguinte:


“Como a Coca-Cola já foi aceita pelo público em geral e como se tornou um problema intransponível induzir a grande maioria dos judeus a se abster de tomar esta bebida, tentei seriamente encontrar um método de permitir seu uso. Com a ajuda de Deus, pude descobrir uma solução pragmática em que não haveria nenhuma dúvida a respeito dos ingredientes da Coca-Cola.


Mauricio Lindembojm Mindrisz

Ilustração: Tiago Galvão